Notícias

EUA: conservação ambiental em fazendas leiteiras tem retorno econômico

27/11/2019

Em uma colaboração entre o Fundo de Defesa Ambiental (FED) e quatro produtores de leite da Pensilvânia, um novo relatório constata que as práticas de conservação ambiental geralmente resultam em bons índices econômicos em uma fazenda. Contudo, os agricultores não conseguem fazer isso sozinhos.

O FED se associou à empresa de contabilidade K·Coe Isom e à empresa de consultoria agrícola TeamAg Inc. para criar um relatório que analisa o impacto da conservação nos orçamentos das fazendas leiteiras, com quatro estudos de caso aprofundados.

Em seu trabalho com produtores de leite na Pensilvânia, eles descobriram que as práticas de conservação podem resultar em benefícios financeiros, como redução de horas de trabalho, economia de ração e camas e custos com veterinários mais baixos, devido à melhoria da saúde do rebanho.

As práticas mais comuns otimizam o armazenamento de estrume, o gerenciamento de nutrientes, as culturas de cobertura, o plantio direto e a barreira de cursos d`água. As coautoras Suzy Friedman, da FED, e Laura Sands, da K·Coe Isom, disseram que, em geral, esses esforços contribuem para o bem-estar econômico e a resiliência das fazendas leiteiras.

As fazendas participantes dos estudos de caso variaram de 40 a 750 vacas, produziam uma variedade de outras culturas e incluíam uma mistura de práticas e programas de conservação.

Embora os custos iniciais de algumas práticas possam ser altos, o relatório diz que são compensados pela economia em outra categoria do orçamento. Friedman e Sands enfatizam a importância de manter registros precisos e frequentes para medidas econômicas e de conservação.

Sands disse: "Com frequência, os agricultores perdem ou não quantificam os benefícios econômicos da conservação porque é difícil conectar os lados agronômico e financeiro de qualquer negócio agrícola. Os agricultores só descobrem o valor real das práticas de conservação quando podem ver o contexto de toda operação e contabilizar os custos ao longo de vários anos, o que leva tempo, conhecimento e comprometimento.”

Outros benefícios da conservação foram a melhoria da qualidade do solo, adubo mais valioso e melhor qualidade da forragem. Isso resultou em maiores colheitas, maior produção de leite e melhor saúde do rebanho.

Em teoria, a conservação é uma solução ideal para os produtores de leite que buscam melhorar a sustentabilidade e qualidade geral da produção. Mas também não é uma realidade para todos. O relatório informa que as agências federais e estaduais, distritos de conservação e parceiros de negócios precisam intensificar o processo.

Eles devem aumentar o apoio às plataformas de manutenção de registros agrícolas e oportunidades educacionais para agricultores que combinam gestão financeira e de conservação. Nem todo agricultor tem acesso imediato a equipamentos confiáveis e de alta qualidade.

Marilyn Hershey, presidente da Dairy Management Inc, disse: “Os produtores de leite compartilham um compromisso de longa data com a gestão ambiental e este relatório reconhece que estamos fazendo nossa parte para proteger os recursos naturais do planeta. Também demonstra que não há duas fazendas leiteiras iguais, ressaltando a importância de parcerias que identifiquem novas práticas e soluções tecnológicas, que resultam em incentivos econômicos e um resultado ambiental positivo".

“Os produtores de leite na Pensilvânia e nos EUA estão no quarto ano de uma crise econômica na qual muitos agricultores estão lutando para se equilibrar. Ao mesmo tempo, os impactos da perda de nutrientes na Baía de Chesapeake são um grande desafio para os estados da região, que enfrentarão as consequências na qualidade da água no curto prazo”, afirma o relatório.

“A conservação é importante para a viabilidade econômica e a licença social dos agricultores, mas eles não podem fazer isso sozinhos. É necessária ação em toda a cadeia de valor.”

Fonte: Milkpoint